Cidade de barro, jornalismo concreto

Sabe aquela altivez de quem faz uma boa comida a partir das sobras? De quem vence o prêmio da Fórmula 1 na munheca, sem estar a bordo de uma McLaren ou uma Ferrari? Pois então, acrescente a esse orgulho sem tamanho uma sensação de liberdade criativa e você já sabe o que é fazer TV pública.

Nada de ‘chefs’ se vangloriando pelo banquete com tempero pronto. Nada de Playmobil formatado para os mesmos movimentos. Nada de raciocínio padrão. Na corrida da TV pública não há amarras, amigo. O piloto ainda vale bem mais do que a máquina.

E por falar em piloto, lá fomos eu, o jornalista Anderson Ribeiro e o editor de imagens Genisson Silva para Santana do São Francisco, a antiga ‘Carrapicho’, capital brasileira do artesanato. Uma cidade que vive do barro e cheia de histórias para contar.

Partimos com a cara, a coragem, com a grana do próprio bolso – as diárias só foram liberadas após a viagem – e com uma tal de ‘PD’, a pior câmera da redação, condenada por nossos cinegrafistas. Coisa de quem acredita na pauta.

Nem entrevistado, nem horário, nem local específico. Nada agendado. Eu e o Ribeiro, atuais editores de texto da televisão, saímos para rememorar os tempos de repórter. De vez em quando é bom esticar as pernas, fazer o sangue circular. Genisson, o popular “Cabeção” ou “Lápis com Borracha”, doido para mostrar o seu talento de cinegrafista – até então, jamais havia saído da ilha de edição, pelo menos, nesta emissora.

“Você está indo sem a minha autorização”, bradou o chefe do Genisson, temeroso. Ele temia, mas nós não. Parecíamos antever o resultado: duas reportagens especiais, a primeira sobre os artesãos de Carrapicho – que está gerando um programa piloto de reportagem de meia-hora – e a segunda, ainda a ser editada, sobre lavadeiras. E o mais legal de tudo é que não tem repórter passado e engomado, nem qualquer voz didática explicando o que acontece em Santana do São Francisco. Para nós, a história contada por aqueles que a fazem vale muito mais. É o tal jornalismo sem maquiagem.

Por hora, compilamos o material sobre o trabalho com o barro para a TV Brasil e que exibo logo aí abaixo. Pena não termos tido condições de usar o boom, aquele microfone que capta o som ambiente sem precisar ninguém cansar o braço ou borrar cenários com os tradicionais microfones ‘picolés’. Éramos eu, Anderson, Genisson e a pior câmera da emissora. Ainda assim, gostei muito do resultado.

Comentários

genisson disse…
Meu brodi ficou muinto foda gostei mesmo. agente somos foda kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
Thiago Barbosa disse…
Todos nóa gostamos do resultado Alvinho. Mostraram o que realmente é tirar leite de pedra!!! Agora estou curioso para ver o resultado da matéria sobre as lavadeiras!
Anderson Ribeiro disse…
Rapaz, recentemente comentei no blog do Leo sobre porque gosto da TV Pública e falei dessa experiência. Realmente maravilhosa e inesquecível. Será uma coisa que sentirei imensa saudade e orgulho igualmente imenso por essa cria ter gerado um programa. Sucesso para você que agora vai tocar o projeto.
Leo disse…
Porra muito foda ... engraçado são os questionamentos que pipocam: o que é arte ? e ai nos revestimos da civilidade, museu, teatro, cinema etc, e esquecemos que pessoas como essas da matéria sabem o que é isso sim, de maneira crua, e talvez a mais verdadeira possível ... de arrombar por demais da conta ... foda o cara sem o braço, mas feliz ... vamos criar um movimento: morte aos atravessadores !!! rsrsrsr porra de 8 conto para 80 !!!! viva a mais valia ... parabens gente, de verdade ... estarei sempre "a passear" por aqui !
Dunya disse…
"E o mais legal de tudo é que não tem repórter passado e engomado, nem qualquer voz didática explicando o que acontece em Santana do São Francisco. Para nós, a história contada por aqueles que a fazem vale muito mais. É o tal jornalismo sem maquiagem."

que legal, Álvaro! esses são os maiores problemas da linguagem jornalística da TV: repórter engomado dizendo a verdade, e voz em off de repórter impondo significado àquelas imagens e pessoas com suas próprias histórias.
essa reportagem parece ter um q de documentário. tô curiosa pra ver.
abraço!
João Paulo disse…
Ficou Bacana Alvinho...Além de mostrar a cultura local, enalteceu
a luta e a recompensa dos trabalhadores humildes. (JPPM)
Zé Vicente disse…
Muito bom...pessoas simples, sem estudo, mas que gostam e valorizam o que estão fazendo....falta isso pra muita gente bem sucedida...
joão áquila disse…
muito bom!
Léo disse…
Vou assistir em casa. Estou na TV pública do outro lado do país, aqui a internet é à lenha, mas quem precisa de internet com 10 megas se o que precisamos é de liberdade? Assisto em casa, mas tenho certeza que se juntou você e o Ribeiro, coisa ruim não deve ter ficado, oxe! E para falar de TV pública, ler isso me traz orgulho do não-vivido, orgulho de saber que não é só a Rede Minas que proporciona isso e orgulho-mor de ter certeza que é um produto feito para sergipanos. De certo modo torço para que Sergipe tenha cada dia mais materiais como esse de vocês. E viva as TVs públicas!!!
Léo disse…
Vou assistir em casa. Estou na TV pública do outro lado do país, aqui a internet é à lenha, mas quem precisa de internet com 10 megas se o que precisamos é de liberdade? Assisto em casa, mas tenho certeza que se juntou você e o Ribeiro, coisa ruim não deve ter ficado, oxe! E para falar de TV pública, ler isso me traz orgulho do não-vivido, orgulho de saber que não é só a Rede Minas que proporciona isso e orgulho-mor de ter certeza que é um produto feito para sergipanos. De certo modo torço para que Sergipe tenha cada dia mais materiais como esse de vocês. E viva as TVs públicas!!!
Léo disse…
Vou assistir em casa. Estou na TV pública do outro lado do país, aqui a internet é à lenha, mas quem precisa de internet com 10 megas se o que precisamos é de liberdade? Assisto em casa, mas tenho certeza que se juntou você e o Ribeiro, coisa ruim não deve ter ficado, oxe! E para falar de TV pública, ler isso me traz orgulho do não-vivido, orgulho de saber que não é só a Rede Minas que proporciona isso e orgulho-mor de ter certeza que é um produto feito para sergipanos. De certo modo torço para que Sergipe tenha cada dia mais materiais como esse de vocês. E viva as TVs públicas!!!
Léo disse…
Vou assistir em casa. Estou na TV pública do outro lado do país, aqui a internet é à lenha, mas quem precisa de internet com 10 megas se o que precisamos é de liberdade? Assisto em casa, mas tenho certeza que se juntou você e o Ribeiro, coisa ruim não deve ter ficado, oxe! E para falar de TV pública, ler isso me traz orgulho do não-vivido, orgulho de saber que não é só a Rede Minas que proporciona isso e orgulho-mor de ter certeza que é um produto feito para sergipanos. De certo modo torço para que Sergipe tenha cada dia mais materiais como esse de vocês. E viva as TVs públicas!!!
Débora disse…
QNqnd eu vi a matéria no jornal, achei ela tão bonita que chega fez gosto. uma pessoa até dps comentou "ah, pq eu acchei que ficou muito.. sei lá..". eu concordei-discordando pra não dar muito pano pra manga - já que os comentários desta pessoa pra mim são mais do que irrelevantes - e pensei: "cada um dá o que tem. se essa pessoa acha que uma matéria só pode ser feita 'de uma outra maneira maneira', azar o dela."

não queria dizer não pra não encher sua bola - pq a cada post seu e a cada trabalho que cê faz, o povo fica babando horrores (ok, cê merece, mas vamos manerar pq se não a humilde vai correr léguas) -, mas sinceramente, cada dia aprendo mais com as coisas que eu vejo dentro da tv. fico até com medo de qnd sair de lá, o que pode acontecer comigo e essa "liberdade de criar" que dão oportunidade da gente ter. e vc, tem sido não só um professor, mas um cara que eu aprendo a admirar cada dia. admiraria mais se vc ainda tivesse pança. mas, ng é perfeito. hahaha!

:*
Débora disse…
releve os erros de digitação e os de português. é que a ressaca aqui tá comandando.

:~
Olhe Alvaro, show de bola. Eue stive lá em carrapicho há cerca de um mês e fiquei chocada com o proeço dos produtos comprados diretamente aos artesãos. Tudo quase de graça. E, saindo de lá, custam fortunas nas mãos dos atravessadores.

Falando em jornalismo eu tive aula de telejornalismo na universidade e (o) a professor (a) seguia um tal de padrão globo que não (pelo menos pra o educador (a) em questão) permite o reporter ser criativo, o que é uma pena. Então assistimos a trabalhos assim como este seu, com poucos recursos, mas extremamente rico em conteúdo e ficamos felizes de acreditar que um outro jornalismo é possível! Parabéns.

Postagens mais visitadas deste blog

A síndrome do chifrudo imaginário

Quero ser médico do Detran!

Gordo na academia