Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

quarta-feira, janeiro 21, 2009

Abra alas, minha gente...

..que o frevo vai passar!

Pré-Caju pra mim é Caranguejo Elétrico, Armandinho Macedo. E nada mais.
De todos os santos, encantos e axés, sagrado e profano, o filho de Osmar Macedo (um dos inventores do Trio Elétrico) é um dos mais virtuosos guitarristas do mundo e a resistência do verdadeiro carnaval.
O som da sua guitarra baiana inebria a alma. No corredor da história, pelas vias, pelas veias, faz uma multidão embebida em alegria balançar o chão da praça. Sem pudor, sem ostentações, sem estereótipos.
Por isso chame, chame, chame, chame gente!
Armandinho é o carnaval em cada esquina do meu coração, e pra libertar meu coração eu quero muito mais que o som da marcha lenta.


Quer conferir o poder da guitarra de Armandinho? Sugiro o vídeo abaixo. Coisa de uns 30 anos atrás.



E se você já quer entrar no clima do Caranguejo Elétrico, veja esse vídeo e observe, além da qualidade da música (letra e melodia), como as pessoas se divertem com liberdade, no verdadeiro espírito do carnaval (coisa que o Pré-Caju, ranço do lixo cultural da Bahia, literalmente não tem):

quarta-feira, janeiro 14, 2009

E o Chico, João?

Veja trecho da notícia "O Rio São Francisco visto por João Alves", escrita pelo jornalista Ivan Valença e publicada na Infonet, em 21/10/2008:

Diz o dr. João em determinado trecho: “O volume de água a ser retirado do Rio São Francisco será de 126m3/s, cabendo observar que se, de fato, essa água fosse destinada ao consumo humano, como a propaganda enganosa do governo procura passar à opinião pública – alegando o próprio presidente da República que só se vai retirar do rio uma ‘cuia d´água’ para matar a sede de pobres sertanejos carentes –, daria, adotando-se padrões de consumo rural, para atender a uma população de mais de 100 milhões de pessoas. Ocorre que a população rural sem água do semi-árido, a qual o projeto supostamente se destina, não ultrapassa 5 milhões, dos quais serão atendidas pelo projeto, em suas casas, de 500 a 700 mil pessoas”. O dr. João revela que o custo oficial previsto da obra será de R$ 6,5 bilhões, porém, cálculos realizados por técnicos independentes admitem um patamar bem acima, de R$ 10 a R$ 15 bilhões.


(...)

Ele comenta que o povo brasileiro é fascinado por projeto megalomaníacos e os políticos brasileiros se rendem a eles. Faz até um mea-culpa (p. 45) ao falar da ponte que liga Aracaju-Barra. E finaliza: “Em resumo, o projeto da transposição é tecnicamente errado, socialmente injusto, ecologicamente destrutivo e politicamente desastroso, por causar uma insana crise federativa”.

Tá bom, "Dr." João. Agora me explica uma coisa: O QUE É QUE A "PROPAGANDA ENGANOSA" ABAIXO ESTÁ FAZENDO NO SEU JORNAL???


Em tempo de crise, espero que essa "propaganda enganosa" tire os "chicos" dos meus colegas do Correio da reta. Pelo menos, né?