Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

segunda-feira, novembro 30, 2009

Para um editor libidinoso ou carente, pouco importa a editoria...


"Eu queria ser o banquinho da bicicleta, pra ficar bem no meio das pernas..."

terça-feira, novembro 10, 2009

Terapeuta ocupacional???!!!!

A partida é entre Brigham Young e Novo México, pela Liga de Futebol Feminino dos Estados Unidos. E a zagueirona do Novo México é a Elizabeth Lambert, uma estudante do 3º ano de Terapia Ocupacional. Quem se habilita a uma sessão????

P.S. - Elizabeth foi considerada pela imprensa espanhola como a jogadora mais violenta do mundo. Título mais do que justo.




domingo, novembro 08, 2009

Gordo na academia


A pior sensação do mundo é a de um gordo dentro de uma academia. Eu garanto. E não por que nos sentimos – nós, os fofinhos – ridicularizados, fora dos padrões e tal. Na verdade, sabemos que estamos longe dos padrões da estética da moda, dessas futilidades, bem como dos parâmetros de uma boa saúde – e é isto o que, atrelado à falta de tempo para a prática de esportes, nos leva a academia.
O que quero dizer, sem qualquer sintoma de complexo - e todo gordo que sente isso na pele há de concordar comigo – é que, naquele ambiente criado para o levantar e puxar de pesos, para o enrijecer de músculos, somente nós, os cinturinhas de ovo, parecemos normais, parecemos humanos.
Mulheres gostosonas, caras saradões e a gente ali no meio, feito alienígena, à procura de um outro alguém comum, recheado de estrias e celulites, que possa bater um papo sadio no plano das idéias, mas não discuta necessariamente a busca pela perfeição do corpo, suplementos alimentares, dietas, medidas e pesos, esses assuntos chatos que nenhum gordo suporta.
Perambular por este antro de músculos e deserto de gente na essência da palavra é torturante para qualquer obeso. Eu mesmo me sinto só. Estou matriculado na academia por recomendação médica, mas sou indisciplinado. Nem sempre vou e, quando o faço, já chego com vontade de ir embora. A cada exercício, os minutos se arrastam no compasso daquele som insuportável que, dizem, é próprio para academia: “tu-tsi-tu-tsi-tu-tsi-tu-tsi” na cabeça por cerca de uma hora, e quando não é isso, é axé music. Eu peço arrego!
Mas acho que faz parte do processo. Afinal, quem vai à academia, pelo visto, vai para contar, suar, queimar calorias, executar movimentos compassados e cansativos. Não vai para se preocupar com melodias ou coisas do gênero. Não tem tempo nem clima para apreciar um jazz ou uma música clássica.Talvez por isso, os aparelhos também não exijam nada além do esforço repetitivo e condicionado. Para fugir um pouco à regra, quando estou malhando, procuro pensar em outras situações para o tempo de tortura passar mais rápido. Como, por exemplo, os cafés da manhã aos domingos, no mercado central de Aracaju, na companhia de grandes amigos como o Cristiano Prado. Bom papo regado a macaxeira, cuscuz, inhame, ovo frito – famoso bife do zoião ou disco voador –, carne frita, do sol, de carneiro... Ah, se este exercício emagrecesse e mantivesse a saúde em dia!

quinta-feira, novembro 05, 2009

A lua do boêmio

Eis que a lua repousa sobre Aracaju em 04 de novembro de 2009, plena quarta-feira. Embebida na sensibilidade e talento do jornalista, poeta e fotógrafo Nivaldo Menezes, se mostra graciosa. À espera dos acordes de um violão, dos beijos, suspiros e sussurros dos amantes, dos goles compassados e melódicos da poetisa boemia. Sim, a lua espera o boêmio, ansiosa, pois sabe que que ele há de voltar. E enquanto espera, escreve a partitura do seu soneto da fidelidade.
Dedicado ao amigo, jornalista e boêmio Cleomar Brandi.