Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

quinta-feira, novembro 05, 2009

A lua do boêmio

Eis que a lua repousa sobre Aracaju em 04 de novembro de 2009, plena quarta-feira. Embebida na sensibilidade e talento do jornalista, poeta e fotógrafo Nivaldo Menezes, se mostra graciosa. À espera dos acordes de um violão, dos beijos, suspiros e sussurros dos amantes, dos goles compassados e melódicos da poetisa boemia. Sim, a lua espera o boêmio, ansiosa, pois sabe que que ele há de voltar. E enquanto espera, escreve a partitura do seu soneto da fidelidade.
Dedicado ao amigo, jornalista e boêmio Cleomar Brandi.

3 comentários:

Vivianne Paixão disse...

Lindo!! : )

Anônimo disse...

Porra Alvinho, coisa linda de Deus esse seu texto. Nosso bom e velho Cleo já já vai estar de volta! Grande abraço parceiro!

Thiago Barbosa

Anderson Ribeiro disse...

Fidelíssima, graças a Deus! asim como o Cleomar é para a boemia.