Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

sábado, novembro 08, 2008

Por quem os sinos dobram?

Em outubro, recebi no mínimo três mensagens idênticas e sob o mesmo título: “O e-mail do ano”. Imagens fortes, precedidas de citações como a que segue abaixo:

“Se você acha que o seu salário é baixo, que tal ela?”



Ao ver este tal “e-mail do ano” tantas vezes passado e repassado por gente, carne, osso e sentimentos como eu, a humanidade que ainda me pesa arde em repulsa, incinera-se em vergonha.

Hipócritas! A criança que nos estende a mão neste “e-mail do ano” não é a mesma que nos abre a pequenina palma nas esquinas, nos semáforos das nossas vidas? Não é aquela mesma, olhos lânguidos e semblante roto, que balbucia nas janelas do nossos carros?

Claro que é. Mas, para além do “e-mail do ano”, para aquém do monitor da vida real, todos passam despercebidos: a criança, os enfermos prostrados nas filas dos hospitais públicos, os sem-teto que se alastram nas calçadas, todos estes que fingimos desconectados do nosso mundo, mas que são essência da nossa essência. E agora eles finalmente vêm a público, graças ao “e-mail do ano”, para nos mostrar como somos “privilegiados”, para nos acomodar?

Neste exato momento, imagino quantos e quantos acessaram o "e-mail do ano" em seus laptops, em suas coberturas, em suas varandas com vistas para o mar, e, após segundos de dó, agradeceram à vida, assim como agradecem as famílias, mesa posta, por terem o alimento que os outros não têm. Imagino e choro sangue...

Egoistas! A humanidade que me resta ainda me faz remoer a dor, a fome, o frio do meu semelhante. Me faz culpado e inerte. E se pensam, pois, que eu irei agradecer por poder pagar um plano de saúde enquanto muitos de mim não têm sequer como comprar um medicamento, se enganam; se vislumbram minha gratidão por sustentar um quarto alugado, ao passo em que muitos de mim fazem das marquises, abrigos, se enganam, redondamente. Jamais admitirei acostumar-me à miséria alheia, e muito menos farei dela torpor das minhas angústias, paliativo para os meus quereres.

Por isso, peço que, no ano que vem, não mais me repassem o "e-mail do ano". Aliás, nem no ano que vem, nem nos próximos.

“A morte de qualquer homem me diminui, porque eu sou parte da humanidade; e por isso, nunca procure saber por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”. John Donne, poeta inglês do século XVI.

7 comentários:

Thiago Barbosa disse...

O problema é que só nos comovemos através da televisão e dos 'e-mails do ano' como estes que você recebeu.

Há um tempão atrás, escrevi em meu blog um texto que mostrava essa cegueira das pessoas em relação a essas questões sociais, puxando mais para a politicagem a respeito desta questão, dê uma lida depois de ainda não viu!

http://jornaldobarbosa.blogspot.com/2007/01/e-aconteceu-em-patiobinha-do-norte.html

joão áquila disse...

eu detesto e-mails solidários, acho isso uma grande hipocrisia virtual e real.

Anderson Ribeiro disse...

Também não me acomodarei ou darei 'graças!' por não ser igual a eles do 'e-mail do ano'ou porque eu posso pagar isso e aquilo. A minha conquista não pode parar. Gostaria que parasse de crescer bem embaixo do meu nariz essa miséria.

Forlán disse...

Vamos a ganar dinero carajo ! Aguante Celeste, Viva Uruguay !

Viva la hinchada Carbonera !


O PRESIDENTE

Dunya disse...

conheço uma moça que adora ouvir programas de rádio religiosos em que as pessoas contam histórias de parentes com câncer, e etc etc etc, e essa moça fala que vê o quanto é feliz e não deve reclamar da vida, já que há uns tantos mais desgraçados do que ela.

eu ein.

Armando Maynard disse...

Isso acontece mais do que se pensa,cada vez mais pessoas se comovem com alguma cena de miséria e sofrimento que assistem na televisão e ao parar com o carro no sinal de trânsito, não se importam com o pedinte na sua janela, cujo vidro fumê encontra-se fechado, é claro. Essa é a doença da ALIENAÇÃO SHOPPING CENTER,que faz a assepsia da pobreza e da miséria,fazendo parecer que a mesma encontra-se bem distante.Um abraço - fetichedecinefilo.blogspot.com(posto também em www.lygiaprudente.blogspot.com)

intelligence disse...

It seems my language skills need to be strengthened, because I totally can not read your information, but I think this is a good BLOG
jordan shoes