Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

sábado, setembro 20, 2008

Pétala de poesia

A grande beleza das flores está na simplicidade e generosidade com que permitem cultivar as sementes. Singela forma de retocar as cores do mundo.


11 comentários:

Sandra disse...

HI :)

João Áquila Lima dos Santos disse...

úia pra isso!!!

Dunya disse...

uia pra isso!!! [2]

Thiago Barbosa disse...

Grande poeta! Abraço Alvinho!

Viva La Brasa disse...

É assim: o cabra começa c/ elocubrações sobre exame de próstata, passa a escrever letras poéticas de MPB, e termina exaltando a delicadeza das flores...
Toma vergonha, Álvaro!
Heheh... Abraço.

Vivianne Paixão disse...

Meu bem também é poeta!!Que lindo meu amor...

Ti amo
xau
PS: Tá vendo aí! Comentei no seu blog...rsrsrsrsrs

Armando Maynard disse...

Belezas da natureza:CAVALO, CACHORRO,MULHER e CRIANÇA,não nessa ordem.E respeitando a sensibilidade do Álvaro, flores,muitas flores.Brincadeira...Um abraço,Armando(lygiaprudente.blogspot.com)

adolfo, o rude disse...

Das 4 belezas citadas acima, eu fico c/ a MULHER, o resto façam bom proveito...
Alvilão, meu chapinha sanguibão, valeu pela força ao programa, sou seu amigo mesmo vc sendo poeta, heheheh.
O happy hour de hoje vou dedicar a vc, valeu?! (vale dizer que meu happy hour atualmente começa à 1H da manhã, difícil é acordar pra trabalhar no dia seguinte)
Abraxxx my friend @

Anderson Ribeiro disse...

Esse Álvaro anda surpreendendo a cada dia. "Singela forma de retocar as cores do mundo..." isso é bonito.

Canela disse...

Uma coisa esse Álvaro... uma coisa!

Billy disse...

Beleza Gano.
Pra vc, um jarro de folha de louro! Pelo menos dá gosto na feijoada!!!

Vamos axerizar esse poema!