Cajus quebram os dentes


A Prefeitura de Aracaju comprou a ideia do artista plástico Fábio Sampaio e colocou 11 grandes esculturas, réplicas de caju, em pontos turísticos da capital que tem nome vindo do tupi ‘ará acaiú’ – ou seja, ‘cajueiro dos papagaios’. O projeto cultural ganhou o nome de Caju na Rua e também valoriza a arte sergipana. Cada fruto gigante tem o traço específico de um artista, dos retalhos de Hortência Barreto às charges do Edidelson. Bacana, não é? Mas há quem ache defeito.

Hoje de manhã um cidadão enviou mensagem para um programa de rádio, querendo saber se os artistas plásticos do Caju na Rua “já viram caju azul?”. A asneira, provavelmente encarada pelo ouvinte como crítica inteligente e recheada de ironia, foi lida na íntegra pelo apresentador, que depois ainda abriu espaço, caso algum artista ou responsável pelo projeto quisesse se pronunciar. Ninguém perdeu tempo, é claro. Eu, por tabela, aproveitei a deixa para sintonizar outra estação.

Vou dizer uma coisa: o povo não é brincadeira. Reclama de tudo e ainda encontra na mídia espaço para disseminar as teorias mais absurdas. Ouvinte e apresentador queriam o quê? Que os frutos de quase dois metros também tivessem ranço, como os cajus dos quintais? Pelo visto, é bom advertir que morder cajus gigantes não é recomendável, pode quebrar os dentes. E no mais, a depender da fonte de inspiração, o artista tem o direito de enxergar até cajus de neon e falantes. Respeitem a liberdade de criação, ora bolas! 

Comentários

Lucas do Vale disse…
Muito Bom! Parabéns Álvaro.
Edson Costa disse…
Muito bom o post, Álvaro!
Infelizmente há pessoas do tipo "espírito de porco" nessa cidade. Há muitas, por sinal. Por mais que se faça coisas interessantes para a cidade, ainda há quem reclame. Neste caso específico, o cara ainda demonstrou ignorância e estupidez. Mente fechada que não entende de arte e de processo criativo. E ainda há gente que abre espaço e dá relevância para este tipo de "crítico". Você fez bem em mudar a sintonia.
Abraço
Anderson Ribeiro disse…
E aí, Alvinho? Também li um artigo sobre o assunto. Juro que achei coisa de artista que ficou de fora e tava com dor de cotovelo. Comentou entre outras coisas sobre o não ineditismo da 'ação' e que não lembraram do caju da ponte da Coroa do Meio. Enfim...
Fábio Sampaio disse…
Sem dúvida! a falta de cultura e
conhecimento não são pré requisitos para pichar iniciativas como essa.E outra coisa,o caju é uma fruta e não invenção de nenhum artista sergipano,porém,questões de ineditismo só são tratadas por espíritos de porco.Abraço!
Analuka disse…
Isto me fez lembrar de uma época em que eu dava aula de pintura para uma turma de crianças, e elas estavam pintando árvores... Uma menina resolveu pintar a sua de azul, e um garoto, debochando, disse: "Ué, desde quando existe árvore azul?"... ao que tive que explicar que sim, na arte e na imaginação, as coisas podem ter as cores que desejarmos, pois não são cópias do "real"... Hehehe!
Abraços alados, azuis.
Renata Morais disse…
Que texto legal..adorei...bote asneira nisso que falaram do caju azul...cada coisa que a gente escuta..
Delton disse…
Nem todas as pessoas sabem o que é arte. Mesmo os que sabem tem que se renovar nesse "saber". Sergipe é um dos menores estados da federação e tem a sorte de fervilhar em VONTADE de se expressar. Tem a sorte de ter artista com INICIATIVAS fantásticas. Uma das coisas que admiro na arte é que ela se expressa de formas e cores além e a quem de alguns que, mesmo lhes apresentando um caju de 20 metros em sua cor natural ainda assim não o enxergaria. Essas manifestações de desprezo e demonstrações públicas de ignorância como a desse cidadão provam que a evolução da forma de pensar depende de cada um de nós já que a arte fez seu papel. Incomodou e se fez enxergar!
ivy almeida disse…
hei de sempre dizer: a culpa é do ranço!
Aldo disse…
Muito boa a iniciativa.
"Você pega o trem azul, o Sol na cabeça
O Sol pega o trem azul, você na cabeça
Um sol na cabeça"
Aldo Rezende
Anônimo disse…
Complexo de inferioridade e muito provincianismo! A área cultural sergipana precisa de políticas públicas que tragam ao povo contato com abrangência artística (para abrir a cabeça) e menos bairrismo (coisa da terra! argh!). Arte boa é arte a ser contemplada, pensada. Parabéns Fábio! Vc é bom.
Lucas
marcelo disse…
Vixe! Uma das características que precisa melhorar no povo de Aju é a inveja. Não pode ver ninguém se dando bem, progredindo ou sendo aplaudido que já rola um complô para derrubar ou falar mal. Isso vem dos pseudo intelectuais metidos a besta (frustadinhos) e também do chamado povão. Todos falam mal. Minha gente, "ramo" parar com isso. Progresso na mente urgente! O que é ruim deve ser dito com explicação fundamentada, mas aplaudam o que merece de fato!

Postagens mais visitadas deste blog

A síndrome do chifrudo imaginário

Quero ser médico do Detran!

Gordo na academia