Chorume da desigualdade

O chorume da desigualdade escorre pelos morros e encostas; encrua nas paredes incertas de barracos que ainda resistem, a muito custo, ao temporal; encharca os escombros das mansardas que, apesar de tão modestas, serviam – quando erguidas – como lares para milhares de cidadãos. Em ruínas, os casebres soterram toda essa gente que viveu a doar sangue e suor para construir o teto que, ironicamente, desaba sobre suas cabeças.
Durante anos e anos, enquanto arriscavam a vida em locais insalubres para edificar o sonho da casa própria, homens e mulheres, hoje gélidos e sorvidos no odor do descaso, jamais despertaram o real interesse dos governantes. Agora, que há muito mais sangue que suor no chorume e incontáveis crianças putrefeitas por ali, somente agora, depois de encoberto por restos de madeirite, Eternit, cimento de quinta, esse povo consegue suscitar a compaixão que jamais suscitou quando em vida.
É a prova de que a política brasileira se alimenta mesmo do chorume, seja na grande Rio de Janeiro – onde até o momento mais de 230 mortes já foram contabilizadas, sem contar o número de desabrigados; seja na pequena Aracaju, onde quase três mil pessoas já se viram obrigadas a deixar suas casas. Tanto lá quanto cá, o líquido fétido que também mistura dejetos e atrai animais peçonhentos é o regurgitar natural de políticos inertes e descompromissados.
Favelas crescem em lugares descabidos, arriscados. E que governante não se dá conta? Que governante é incapaz de enxergar os ‘presépios’ que circundam as capitais? Perguntas tolas as minhas. Mais fácil que implementar políticas sociais e impedir a morte de tantos é voltar os olhos para a miséria e fazer qualquer negócio para acomodá-la a baixo custo, sem que avance tanto o espaço das classes média e alta. Pobre no morro do Padre Pedro vale. Na 13 de julho, não. Pelo menos até que venha um novo 'representante do povo' e o bastão da irresponsabilidade seja mais uma vez repassado sem pudor e, é claro, com aquela sensação de alívio, digna de quem se deparou com a enxurrada da desigualdade e, simplesmente, preferiu deixar a água correr, esperar o temporal passar. E, porque não, colocar a culpa na chuva e nas invasões.

Comentários

yuri disse…
bom texto. Parabens... Chorume quase poetico/trágico o ilustrado...como aquele que corre nas veias de muitos que (mesmo não acreditando) conhecemos.
Caro Alvinho, é que o buraco dos problemas sociais brasileiros é bem mais fundo. Além do mais, a nossa imprensa adora um sensacionalismo, quando deveria estar mostrando soluções e cobrando de maneira eficaz a realização por parte do poder público. Mas como disse antes, o buraco é mais fundo. Um abraço.
Vivianne Paixão disse…
Ótimo texto! Publicado no JORNAL DA CIDADE.

Bj
Anônimo disse…
Alvinho, tua inteligência a cada dia muito mais me admira! E como admira, podes acreditar!
Parabéns por tão sábias palavras, meu querido!
Uma excelente semana pra ti!
Abraços mil, Sy

Postagens mais visitadas deste blog

A síndrome do chifrudo imaginário

Quero ser médico do Detran!

Gordo na academia