Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

quarta-feira, março 24, 2010

Entre radares e ladrões

A imagem acima é apenas uma boa piada, mas eu tenho uma posição muito clara quanto à colocação de radares no trânsito de Aracaju: recebe multa quem quer, é irresponsável, não se preocupa em ler as placas de sinalização. É fotografado e obrigado a depositar uma boa grana nos cofres públicos quem abusa da imprudência e do desleixo.

Quando da instalação dos primeiros radares na capital eu, então editor de Veículos do Jornal Cinform, fui um dos únicos da imprensa sergipana a apoiar a atitude da Prefeitura, contradizendo até a opinião dos meus colegas jornalistas. Em um dos editoriais, fiz duras críticas a quem colocava a politicagem barata acima da cidadania e exibia no veículo adesivos como "Visite Aracaju e ganhe uma multa". Muitas vezes eram pais que faziam questão de dar aos filhos o "belo" exemplo de desrespeito às leis de trânsito.

Agora uma coisa também é certa, viu: a Smtt tem exagerado na colocação de radares, sobretudo na região da 13 de Julho e Beira Mar. É fiscalização demais onde não acontecem tantos acidentes assim (eu passo lá todo dia, em horários de pico). E ainda que a instalação desenfreada de radares seja interpretada como excesso de cuidado com a vida de condutores e pedestres - e não como cata moedas -, será que não existem outras prioridades no governo municipal ou pontos mais críticos do trânsito de Aracaju que necessitem de um olhar mais atencioso da Smtt???????

Um comentário:

Anônimo disse...

É, Alvinho...
Infelizmente, disciplina e respeito são coisas raras no trânsito de muitas cidades. As pessoas só conseguem ser menos imprudentes quando a dor bate no bolso...