Eis aqui a grande invenção da internet! A inimaginável fusão do boteco, ponto de discussões filosóficas e nascedouro das soluções para todos os problemas políticos, econômicos e sociais do mundo, com o hospício, furna da mais pura sinceridade, livre das convenções, amarras e obrigações sociais. Coerências ou devaneios, tudo vale. Tudo é possível. Portanto, seja bem-vindo! Entre, sente, tire a camisa de força e tome mais um gole, sem pressa para pedir a saideira.

domingo, outubro 04, 2009

Não à violência institucionalizada


A decisão do Juízo da 12ª Vara Cível da Comarca de Aracaju, que bane torcidas organizadas dos estádios Lourival Baptista, na capital, e Presidente Médici, em Itabaiana, pode até não ser uma liminar capaz de extinguir, por si, a criminalidade no futebol sergipano. Mas é passo firme no processo de lavagem moral das arquibancadas, tiro certeiro contra a absurda institucionalização da violência.
Todo integrante de torcida organizada é violento? É criminoso? Não, não é. Mas todas as guerras, tiros, facadas, pedradas, arrastões, mortes de jovens, lágrimas e dores de familiares escoram-se na rivalidade de tribos inconseqüentes e ostentam as insígnias dessas facções. A violência se fortaleceu, se caracterizou, se profissionalizou, e isso é o mais grave.
Ao longo dos anos, no entorno das quatro linhas que guardam o espetáculo da bola, surgiu um espetáculo às avessas, de horror. Com nome e endereço. Tripudiador a ponto de enfiar um belo de um nariz de palhaço à fuça da própria Justiça. “Fulano matou cicrano por rixa de bairro”, “Beltrano comprou a camisa da torcida, mas não era integrante, não temos como controlar”... Falácia! Ainda que diretores de organizadas jurem não incitar a violência, os escudos das instituições que administram foram transformados, quer queiram ou não, em marcas registradas da brutalidade irracional. Por mais que se diga que não, está lá, nas estatísticas e nos vídeos da polícia.
Daí a importância da proibição de grupos organizados e seus adereços nos estádios, ainda que seja lamentável ter de se chegar a este ponto. Lamentável diante do verdadeiro espetáculo que essas torcidas poderiam propocionar. Mas vidas estão em jogo. Após longa batalha do Ministério Público Estadual – e que não pára e nem deve parar por aqui – a Justiça parece ter cansado de assistir, passiva, à violência oficial, que se maquia toscamente, displicentemente, para sustentar um discurso fajuto de inocência. A Justiça, enfim, parece ter se exaurido daquela cegueira com um quê de fingimento. Bateu firme, no âmago da questão. Pegou de prima, na veia, meteu na gaveta.

4 comentários:

Anderson Ribeiro disse...

Muito bem Álvaro Müller. Imagina se fossem grandes times com grandes torcidas? Sergipe, na última divisão do futebol brasileiro, quer ser protagonista de espetáculos violentos; uma cópia do que há de mais triste nos campos, principalmente, das equipes de ponta do Brasil e do mundo. Se se espelhassem na organização e empenho dos clubes que garantem atenção da mídia por estar sempre entre os melhores, seria louvável e quem sabe o futebol sergipano não estaria nas últimas das últimas posições do esporte nacional.

joão áquila disse...

concordo, mas ainda acho pouco. O primeiro passo já foi dado

Fredson Navarro disse...

Excelente artigo Alvaro, é lamentável esta situação nos estádios, os torcedores deveriam ir torcer pelo seu time com espírito esportivo, com alegria, mas preparados para qualquer resultado, afinal é um jogo e tudo pode acontecer.

O Presidente disse...

Taí um assunto que eu conheço e digo que não vai resolver o problema. os caras brigam nos bairros até com torcedores de 'aliadas' adversárias. Ex: Trovão briga com um cara com camisa dos Imbativeis (do Vitoria) pq são 'aliados' da TEC e por aí vai. O que menos importa aí é o futebol, até pq durante o jogo eles nem olham pro campo e sim buscam roubar faixas da outra torcida ('trofeus'). pergunte a um desses de organizada - do Vitoria por exemplo - quem foi Osni, Mario Sergio, Ricky, etc...Pegue um cd de uma dessas organizadas (geralmente funk) e ouça "AK-47, PT, 380, 765, 762,pistola, caseira e rojão". É isso infelizmente.