O radialista e o goleiro que engoliu a bola


Todo radialista esportivo é um enganador em potencial, capaz de transformar qualquer pelada mequetrefe em uma partida de futebol recheada de lances perigosos e polêmicos, sonho de consumo para o torcedor fanático, ávido por grandes emoções.
O jogo está ruim? Deixa com o radialista, que ele resolve. Aguça sua ‘sensibilidade’ e faz de chutes fracos, ‘petardos’. Quase todas as faltas são violentas; quase todas as quedas dentro da área são pênaltis; quase todas as defesas dos goleiros são difíceis; quase todas as bolas passam tirando tinta da trave adversária. Tudo isso enquanto o torcedor, irrequieto na poltrona, borbulha em emoções diversas. Beira o enfarto.
O poder de convencimento de um radialista é tamanho, que Dona Anita quase morreu depois de um comentário casual, durante a transmissão de um jogo qualquer. Dona Anita Nunes era a mãe de José Acúrcio, figura conhecida em Alagoinhas como ‘Zé Elegante’ por conta das suas atuações performáticas enquanto goleiro de alguns times da cidade.
Casado com minha tia Maria Amélia, Elegante ficou conhecido na juventude como o melhor arqueiro do Agreste. Verdadeira muralha embaixo dos paus, chegava a desafiar os atacantes – apesar da baixa estatura. Soltava a pelota nos pés dos artilheiros e gritava: “Chuta ‘fila’ da puta!”, “Vá sacana!” ou coisas do gênero. Isso é o que conta meu tio Eduardo Müller, o homem que – segundo seu próprio testemunho – foi improvisado como goleiro uma vez na vida e acabou marcando um golaço após driblar todo o time adversário. Não há uma alma viva em Alagoinhas que confirme essa história, mas quem quiser que diga que Du está mentindo...
Mas, voltando ao assunto ‘radialista exaltado = risco de morte para o torcedor’, certa feita Acúrcio acabou tomando um frangaço, num raro momento de infelicidade, e o radialista de Alagoinhas não mediu as palavras: “Zé Elegante engoliu a bola!”.
Pronto. Foi o suficiente para Dona Anita – mãe do goleiro – invadir a casa da tia Amélia, esbaforida e aos berros: “Acuda! Acuda! Meu filho engoliu a bola! MEU FILHO ENGOLIU A BOLAAAAAAAA!!!”.
Haja água com açúcar e bom vocabulário para convencer Dona Anita de que era fisicamente impossível um ser humano ingerir uma bola de futebol, para fazê-la acreditar que Zé Elegante passava bem. Estava vivo.

Comentários

joão áquila disse…
putz! esse narrador é do c@*¨%$
Maynara disse…
Amei.... mas tenho uma crítica, vc só não escreve sobre a sua irmã que faz seu almoço todos os dias...kkkkk
Eduardo disse…
Com certeza, essa história contada pelo "velho DÚ" não pode ser constestada.

kkkkk
Leandro disse…
maynara fazendo almoço!cotado de você alvinho!kkk
Thiago Barbosa disse…
Viva os locutores do rádio esportivo!!! Tomara que ela tenha se convencido de que Elegante realmente não engoliu a bola!
joão áquila disse…
esse radialista da figura parece com Magalhães (que você, claro, pode chamar de Magá) magro. kkkkkkkkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Quero ser médico do Detran!

A síndrome do chifrudo imaginário

Gordo na academia