O PM, o trabalhador e a mãe do bandeirinha

Se a máxima “Deus ajuda a quem cedo madruga” fosse de fato veraz, meu amigo Etevaldo Dória já teria ganhado na mega-sena, ainda que sem comprar o bilhete. Acostumado a ficar de pé, todo santo dia, em sincronia com primeiro sussurro do galo da madrugada, “Théo”, como gosta de ser chamado – e ai daquele que escrever seu nome sem o “h” –, sai pra trabalhar quando cerca de 90% das almas brasileiras ainda estão vagando despregadas das carapaças de carne e osso.

Mas, como bem antes de decretar a ajuda aos “despertadores humanos” Deus encasquetou com a idéia de que, pelo menos no Brasil, o trabalhador tem de ser pisoteado, torturado, humilhado publicamente, desdenhado, enxovalhado, açoitado, massacrado e etc., num é que Etevaldo e todo o seu labor quase foram parar no xilindró um dia desses? Simplesmente porque um dito sargento da Polícia Militar invocou que o meu amigo – logo ele, que tanto sua pra pagar seus impostos – estava a perturbar a ordem pública e deixar as famílias sergipanas em situação constrangedora. Tudo porque Théo simplesmente xingava a mãe de um bandeirinha, durante uma partida de futebol.

Calma sargento! Veja bem rapaz, a gente é torcedor, trabalha a semana toda. Aqui é o lugar que a gente pode extravasar, Argumentou Etevaldo, trêmulo e arfando de nervoso. Aqui em Aracaju não tem essa estória de trabalhador não. Ou você pára de xingar, ou lhe dou voz de prisão, Rebateu o truculento militar, vencido somente após as próprias mulheres às quais dizia estar preservando a integridade moral lhe dedicaram uma pomposa vaia. Uhhhhhh! Solta o rapaz!

Bonito... Logo em Aracaju, terra das araras, dos cajus e das incessantes brigas entre torcidas organizadas – pelejas que a polícia é INCAPAZ antever e impedir, como se ninguém soubesse o que acontece ao final de todo clássico Sergipe x Confiança –, eis que me surge um sargento diplomata disposto não só a pôr ordem na casa, como alterar sensivelmente a cultura do futebol nacional... De onde me trouxeram tal troglodita? Da Ilha de Tonga?

Alguém precisa dizer a esse sargento, e bem rapidinho – antes de ele mandar 90% dos torcedores sergipanos para o xadrez –, que xingar a mãe do bandeirinha no Brasil faz parte do espetáculo, de tal forma que se todos os filhos desta pátria de chuteiras fossem concebidos nas arquibancadas pelo país afora, suas primeira palavras jamais seriam “papá” ou “mamã”, e sim, um embolado “pua e paiu!”, ou, quem sabe, um “fia a pua!”?
A coisa é de tal forma natural que, acredito, os árbitros auxiliares devem passar inclusive por um treinamento de “Como Conviver com a Fama da Mamãe” ou algo do tipo. Uma espécie de disciplina, curso de especialização... sei lá! Aposto meu salário que até mesmo para os bandeirinhas, imaginar um torcedor fervoroso sem xingar suas genitoras é praticamente impossível. É o mesmo que vislumbrar um fiel católico se recusando a receber a hóstia ou um PM vendando os olhos para a bandidagem e correndo atrás do trabalhador, simplesmente para exercer o poder da farda. Bom... este último caso eu já não tenho certeza se é tão inimaginável assim.

Comentários

Billy disse…
Etevaldo é o cara! E esse PM tem mais eh q se F%*#@...filho da puta safado! Qria estar no estádio pra 'descer a ripa' nesse cába safado.

Mas, tinha que ser com o Etevaldo...heheheh
ETEVALDO disse…
Conheço Barradão, Fonte Nova, Carneirão, Joia da Princesa, Municipais de Cruz das Almas e Terra Nova, Rei Pelé e o prazer de ir ao Gerson Amaral em Coruripe, cidade em que a torcida do Vitória foi bem tratada, nos confraternizando com os torcedores locais ao final do jogo. Nunca em 23 anos frequentando um estádio, vi alguém ser abordado e ameaçado com ordem de prisão pelo fato de xingar um árbitro ou seus auxiliares. Não arremessei nada contra o auxiliar de arbitragem, estávamos todos torcendo pelo Vitória e todos que estavam em volta reprovaram a atitude do policial. Tão diferente dos PM´s alagoanos muitas das vezes, Alagoas é estigmatizado como um estado violento e sem leis. Pois lá fomos orientados onde ficaríamos,bem tratados e ao final ainda convidamos o tenente e sua guarnição a irem conosco "beber um refrigerante"...Bem colocado Álvaro, a PM local não consegue conter os verdadeiros marginais de algumas organizadas locais, mas este Rubro-Negro Baiano (só torço por ele) trabalhador quase ia em cana.Continuarei à xingar aqueles que meterem a mão no NOSSO VITÓRIA! ALIÁS O SENHOR ESTÁ EM FALTA COM O LEÃO, NÃO FOI AO JOGO DO PIRAMBU E RECUSOU O CONVITE PARA IR À CORURIPE. ESTAREI NO BARRADÃO DIA 06/08 E DAQUI LHE FAÇO O CONVITE!!! VITÓRIA MINHA VIDA, VITÓRIA MEU ORGULHO, VITÓRIA MEU AMOR !!! E QUEM QUISER QUE FIQUE COM SEUS MENGUINHOS, VASQUINHOS,FLUZINHOS, ETC...VOU PARAR POR AQUI QUE A PRESSÃO TÁ SUBINDO. EM QUALQUER DIVISÃO SEMPRE LEÃO. SEU BANDEIRINHA FILHO DE UMA PUTA, AONDE É QUE MENDES TAVA IMPEDIDO AÍ PORRA?!!!
J.B. disse…
kkkkkkkkkkk
é assim q começo esse breve comentário sobre Ethevaldo ou melhor "Theo", rpz bem q eu keria presenciar essa cena, pois ao ler essa história q nosso amigo Alvaro narrou, ela passava como flash na minha mente, como s eu tivesse presenciando, aquela cara d desespero d uma baiano q ñ s ker jogou um roleto d cana no arbitro, simplesmente chigou a genitora, mas venhamos e convenhamos, theo meu filho vc axa q a polícia do nosso estado deixaria d enfrentar a vc, q ñ esbanjava nenhum poder d reação para enfrentar a grande fúria da TTA e TEC, claro q ele ñ é menino iria enfrentar a vc, pq assim ele chegaria em ksa i diria ta vendo aí meu filho prendi um badernero hje no batistao. É sr. Theo, isso é Brasil, Sergipe mais especificamente Aracaju, polícia militar do Gov. João Alves. kkkkkk
e da prox. vez vamos juntar uma galera pra xingar o bandeirinha pq aí ele teria q prender todo mundo, fica aki meu repúdio a policia destreinada do gov. joao alves. te+
Eduardo Muller Jr. disse…
Que situação Theo... Mas infelizmente é o que ocorre no nosso Brasil. Melhor exemplo de omissão por parte dos organizadores e dos militares que no Grenal desse Final de semana? impossivel...Mas aposto que se fosse um cidadão de idoneidade comprovada que tentasse de qualquer forma mostrar seu amor pelo futebol de forma sadia, mesmo que utilizando ditos populares como "Banderinha FDP ", ele seria coagido. Esse é nosso BRASIL BRASILEIRO.
Abraço. Gostei do texto meu irmão.
Saudades.

Postagens mais visitadas deste blog

A síndrome do chifrudo imaginário

Quero ser médico do Detran!

Gordo na academia